França: O incrível Museu d’Orsay em Paris

0

O Museu d’Orsay é um dos melhores museus não só da França, como do mundo! É o nosso museu favorito em Paris, porque reúne obras belíssimas de pintores renomados em um espaço diferente e interessante. Confira o porquê o Museu d’Orsay não pode ficar fora do seu roteiro em Paris.

O MUSEU D’ORSAY

O Museu d’Orsay está instalado em uma antiga estação de trem, a Gare d’Orsay que foi construída nos últimos anos do século XIX. No entanto, por volta da década de 1940, as plataformas curtas da estação tornaram-se inadequadas para os trens mais longos que passaram a ser usados ​​para comportar o crescente número de usuários. A estação, então, começou a ser usada para trajetos de trens suburbanos e parte dela se tornou um centro de correspondência durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1970, foi concedida permissão para demolir a estação, mas, decidiu-se abrir um hotel que funcionou até 1973. Neste período, o local serviu de locação para alguns filmes. Depois de anos de discussão e planejamento, surgiu a possibilidade de abrir um museu no local. Obras foram iniciadas em 1978 e, finalmente, em 1986, o museu estava pronto para receber suas exposições.

Museu d’Orsay às margens do Rio Sena

As obras vieram de 3 museus diferentes: do Museu do Louvre (obras de artistas nascidos depois de 1820); do Museu Jeu de Paume (com foco em Impressionismo); e do antigo Museu Nacional de Arte Moderna (o novo Museu Pompidou ficou com obras de artistas nascidos depois de 1870). O foco do Museu d’Orsay, portanto, são obras produzidas de 1848 a 1914. Foram necessários 6 meses para instalar as 2 mil pinturas, 600 esculturas e outras obras da coleção original. O museu abriu oficialmente em dezembro de 1986. O Museu d’Orsay acabou se tornando um dos principais do mundo devido a seu acervo riquíssimo de pinturas, esculturas, móveis e fotografias. O grande destaque do museu é abrigar a maior coleção de pinturas impressionistas e pós-impressionistas do mundo, reunindo obras de pintores consagrados como Monet, Manet, Cézanne, Degas, Renoir, Seurat, Sisley, e Van Gogh.

Relógio do museu visto do lado de dentro
Dica: Desde 2015 é permitido tirar fotos (sem flash, claro!) dentro do museu

COMO É A VISITA AO MUSEU D’ORSAY

A entrada do museu é feita em 2 filas diferentes, uma delas é para quem já tem ticket comprado ou possui o Paris Pass e outra para quem vai comprar os bilhetes na hora. Ambos os grupos precisam passar pela segurança (revista de bolsas e detector de metais) antes de acessar a área das exposições, que estão distribuídas de 3 pisos (Piso Térreo, Piso Médio e Piso Superior). Há 2 pisos inferiores com auditórios, utilizados para eventos especiais. Confira o mapa interativo neste link e veja os principais destaques por piso, em seguida.

Piso Térreo. Figura: reprodução site oficial
Piso Médio. Figura: reprodução site oficial
Piso Superior. Figura: reprodução site oficial

PISO TÉRREO

O Grande destaque do Piso Térreo é a área central da galeria das esculturas. Não perca as belas esculturas de Augusto Rodin no centro do museu; e móveis e objetos de arte decorativa no Pavillon (acesso pelo Piso Médio). Há ainda mais algumas áreas de exposição com obras simbolistas, além de um espaço para exibições temporárias.

Vista da área central do Museu d’Orsay
Destaque para o belo relógio da antiga estação
Galeria das Esculturas
Até a Estátua da Liberdade está por lá

PISO MÉDIO (2º ANDAR)

No Piso Médio, ficam as obras do Movimento Naturalista e Art Nouveau de países como Bélgica, França e Itália. No entanto, o grande destaque deste andar fica por conta das obras pós-impressionistas do fantástico Vincent Van Gogh, como o seu “Auto-retrato” (1889), “Noite Estrelada Sobre o Ródano” (1888), “Quarto em Arles” (1888), “A Igreja de Auvers” (1890) e “Doctor Gachet’s Garden in Auvers” (1890).

Auto retrato de Van Gogh
Quarto em Arles, de Van Gogh

PISO SUPERIOR (5º ANDAR)

O Piso Superior é o grande “must see” do museu. Se tiver pouco tempo, pule direto para cá. É aqui que ficam as galerias de pinturas impressionistas e pós-impressionistas. É um verdadeiro deleite para os olhos ver tantas obras incríveis juntas. Vale a pena gastar pelo menos 1 hora admirando com calma as obras-primas do movimento impressionista com pinturas incríveis de Cézanne, Degas, Manet, Monet, Pissarro, Renoir, entre outros.

Le Bassin aux Nymphéas (1909), de Claude Monet
O baile no moulin de la Galette (1876), de Pierre-Auguste Renoir
A Aula de Dança (1874), de Edgar Degas

ONDE COMER NO MUSEU D’ORSAY 

Quem admira arte pode passar horas dentro do museu. Por isso, vale a pena saber quais opções de alimentação, como Cafés e Restaurantes, que ficam dentro dele.

  • Café de l’ours: O cardápio inclui saladas, sanduíches, bolos, sorvetes, sobremesas, snacks e alguns pratos quentes. Horários: de terça a domingo de 9h30 às 16h45 (quintas até 19h45)
  • The Café Campana: Fica localizado logo após a Galeria Impressionista, este Café foi projetado pelos irmãos Campana, famosos designers brasileiros. O cardápio apresenta um menu clássico de uma brasserie parisiense, com refeições quentes, ótimas saladas, e sobremesas. Horários: de terça a domingo de 10h30 às 17h | quinta de 11h às 21h
O belo Café Campana
  • Restaurant: O antigo restaurante do Hôtel d’Orsay, no primeiro andar do museu, ainda é tão magnífico quanto foi quando abriu em 1900, com candelabros deslumbrantes e os tetos pintados. O chef Yann Landureau oferece cozinha tradicional francesa, intercalada com pratos originais.

COMO CHEGAR AO MUSEU D’ORSAY

Grudado com o museu fica a estação de trem Musée d’Orsay, atendida pelo RER C. Para quem prefere metrô, pode usar a estação Assemblée Nationale ou Solférino, ambas na Linha 12.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Musée D’Orsay

  • Endereço: 1 Rue de la Légion d’Honneur, 75007 Paris, França
  • Horários: de terça a domingo de 9h30 às 18h (quinta até 21h45)
  • Entrada: €12 / gratuita no primeiro domingo de cada mês | Audio guide €5 (em diversos idiomas, inclusive português)

Nós visitamos o Musée d’Orsay com o Paris Museum Pass, que recebemos como cortesia do Paris Convention and Business Bureau.


Leia mais sobre a França:

Deixe seu comentário