Morando Fora: 2 anos morando nos EUA

11

Hoje, dia 28 de junho de 2016, estamos completando 2 anos morando nos Estados Unidos! E para celebrar a data, vale a pena falarmos sobre como foram esses dois anos incríveis morando na terra do Tio Sam! Vem com a gente?

MORANDO FORA: 2 ANOS MORANDO NOS EUA

Esse post vai servir um pouco como retrospectiva sobre esses nossos 2 anos morando nos EUA. Nós já tínhamos falado em posts anteriores sobre como viemos parar aqui, como nossa vida mudou, nossas perspectivas para o futuro e tudo que enfrentamos até agora:

A última vez que estivemos no Brasil foi em março de 2015, mais de 15 meses atrás! E é claro que a saudade bate forte! Família, amigos, comida, hábitos que estamos acostumados. A vida aqui é muito boa, mas tivemos que deixar muitas coisas para trás que nos fazem uma falta danada. Chegamos como estudantes da Universidade de Stanford, no primeiro ano e podemos garantir que a vida no nosso segundo ano aqui nos EUA foi muito diferente do primeiro ano, pois ficou com mais cara de “vida real”. A vida universitária é maravilhosa, mas é como viver em uma bolha em que tudo parece perfeito, todos vivem em uma comunidade única. A vida real é bem diferente, muito desafiadora e mais intensa.  Assim como fizemos no post de 1 ano e meio, vamos colocar alguns pontos principais para poder falar a respeito.

Foto da Universidade de Stanford, nosso lar durante o primeiro ano morando nos EUA
Universidade de Stanford, nosso lar durante o primeiro ano morando nos EUA

Trabalho

O Paulo está prestes a completar 1 ano de trabalho no Google e ama o que faz. A área dele é cheia de desafios e ele trabalha com o que ama, isso é o mais importante. A Ana está se dedicando muito ao blog, colocando muitas metas desafiadoras, já mudou o layout do blog, traz conteúdo novo diariamente. Muitas novidades ainda estão por vir.

Entretenimento

Nós adoramos passeios culturais, e aproveitamos para ir ao cinema semanalmente (chegamos a ir 4 vezes por semana durante nossa “Maratona Oscar”). Além disso fomos ao show do Metallica na véspera do Super Bowl realizado em Santa Clara, nossa cidade na Califórnia; assistimos ao jogo do super campeão time de basquete Golden State Warriors; jogo de futebol na Copa América Centenário; assistimos a uma apresentação do balé clássico “Lago dos Cisnes”, entre outras atrações.

Leia nossos posts sobre entretenimento:

Entrando para assistir ao show do Metallica no AT&T Park em San Francisco
Entrando para assistir ao show do Metallica no AT&T Park em San Francisco

Viagens

Esse blog é de viagens e, por isso, como vocês devem imaginar, viagens não faltam nunca! Voltamos a lugares que amamos como Los Angeles, Lake Tahoe e Las Vegas, conhecemos regiões novas na Califórnia como Paso Robles, Fairfield e muitas atrações no Vale do Silício. Planos não faltam para o restante do ano!

Admirando a imensidão do Lake Tahoe
Admirando a imensidão do Lake Tahoe

Hábitos de Consumo

Já tínhamos falado em outros posts que nossa vida melhorou muito na questão do desapego em todos os sentidos. E nunca na vida compramos tão pouco quanto nesses últimos 2 anos. Comprar é algo que não nos dar prazer, conhecer algo novo ou ter uma experiência diferente é o que nos deixa realmente felizes. A vida para nós ficou muito mais simples e interessante quando começamos a dar mais valor para criar memórias do que para fazer compras.

Do que mais e menos gostamos nos EUA

Gostamos da questão da segurança pública, da diversidade de culturas aqui no Vale do Silício que é muito valorizada e do respeito ao próximo. Do que menos gostamos é do custo elevadíssimo de vida aqui no Vale, de não ter a possibilidade de estar nos eventos de família quando desejamos, e da comida brasileira, a melhor do mundo! Vira e mexa bate uma saudade apertada.

O Casal

No início de maio de 2016, completamos 8 anos de casados (e quase 12 anos juntos) e sentimos que nosso relacionamento ficou ainda mais forte com a mudança, pois, mais do que nunca, todos os desafios precisam ser enfrentados juntos, já que não temos família ou amigos antigos para recorrer.

Celebrando nossos 8 anos de casados
Celebrando nossos 8 anos de casados

Nossos amigos de quatro patas

Uma coisa que fez parte das nossas vidas neste último ano foi o nosso “sobrinho” peludo, o Max. O “pai” do Max, um amigo nosso, viaja muito a trabalho e mensalmente deixa o Max sob nossos cuidados pelo menos uma semana por mês. Nós vimos o Max crescer desde os 3 meses até agora ao primeiro ano de idade e esse cachorro fofo teve uma participação maravilhosa no nosso mais recente ano nos Estados Unidos. Nós também ajudamos nos últimos meses uma mãezinha felina (a quem apelidamos de Lucy) e seus três bebês recém-nascidos (Tommen, Jon Snow e Hodor), oferecendo comida, água, carinho e lar temporário até eles serem adotados por famílias que, temos certeza, os farão muito felizes!

Max, a fofurice em forma de cachorro
Max, a fofurice em forma de cachorro
Lucy e seus bebês
Lucy e seus bebês – gatinhos que resgatamos

Nossos amigos gringos (ou não)

Mudar para outro país, significa que os amigos terão uma grande importância nas nossas vidas, uma vez que nossa família está bem longe. E é muito legal essa diversidade de culturas de pessoas do mundo todo! No Vale do Silício nos encontramos com amigos dos EUA, Canadá, Europa e Brasil. Os eventos sociais são muito importantes para mantermos contato com o pessoal e compartilharmos nossas preocupações e interesses. O Paulo costuma jogar futebol com os gringos toda semana e vira e mexe estamos almoçando, jantando ou jogando conversa fora com nossos amigos.

Os problemas dos EUA

Só este tópico vale um post (ainda vamos escrever, prometemos). Antes de morar nos Estados Unidos tínhamos uma visão meio utópica do país e acreditamos que a maior parte dos brasileiros também tem. É claro que é um lugar maravilhoso, cheio de coisas boas e oportunidades, mas também existem problemas como em qualquer lugar do mundo e nós tivemos um choque de realidade quando viemos para cá. Entre os países desenvolvidos, os Estados Unidos é o que menos preza pelos direitos trabalhistas, não existem férias previstas em lei, a licença maternidade é de poucas semanas e, na maior parte dos casos, não remunerada e, em vários casos, o contrato de trabalho não dá direito a benefícios.

O sistema de saúde é ótimo, porém caríssimo! Nem pense em vir visitar o país sem um seguro viagem (nós temos parceria com a Real Seguros) porque o custo da saúde é absurdo. O Paulo precisou ser internado por 1 noite e a conta do hospital ficou em US$ 20 mil (nosso plano de saúde cobriu, ufa)! E o caso da canadense que teve um bebê prematuro em uma viagem aos EUA e a conta do hospital ficou em US$ 1 milhão? Podemos reclamar dos problemas do SUS (que são incontáveis, diga-se de passagem), mas pelo menos ele existe. Nos EUA não existem hospitais públicos. Antes do Obamacare (o programa de saúde implantado no governo Obama) muita gente morria nos EUA de motivos banais (ainda há uma pequena parcela da população que não têm acesso nenhum à saúde). Aqui não existem medicamentos genéricos, possibilitando que milionários da indústria farmacêutica aumentem da noite para o dia o preço de uma pílula para portadores do vírus HIV de US$13,50 para US$ 750 sem ter nenhuma concorrência.

E a corrupção também rola solta (basta assistir à série da Netflix “House of Cards” para se ter uma ideia da sujeira da política americana), mas é feita de uma maneira mais “profissional” do que no Brasil. Sem-tetos existem aos montes em cidades como San Francisco e Nova York, por exemplo. Embora seja um país fantástico, os Estados Unidos ainda têm um longo caminho de ajustes pela frente e vivendo aqui conseguimos ter uma visão mais clara disso.

Balanço

Desafios não faltam, mas tudo tem valido muito a pena! E cada etapa que passamos, cada desafio superado nos deixa ainda mais fortes para seguir em frente! A vida morando fora está longe de ser um mar de rosas, mas tentamos fazer de cada dia o melhor possível e seguimos sempre muito confiantes. E vamos que vamos porque vem muito mais por aí! 🙂

11 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite, tive o prazer só agora de conhecer o site de vocês e poder participar um pouco da vida de vocês através da contribuição dos post e tals. Queria te fazer uma pergunta, se ai também tem todos os problemas que tem aqui no brasil por qual motivo ai é melhor de morar do que aqui? Outra pergunta, se você ganhasse um grana boa no brasil, você trocaria pra viver nos eua, vamos supor que é o mesmo valor de renda.

    • Thales, agradecemos a sua pergunta.
      Nós não nos mudamos do Brasil porque achamos um país ruim. Apesar de todos os problemas, nós amamos o Brasil. Viemos de famílias batalhadoras e nada veio fácil para a gente. Estudamos muito, varamos noites trabalhando, e tínhamos ótimos empregos, tínhamos quitado nosso apartamento, tudo estava indo muito bem e tínhamos boas perspectivas para o futuro. No entanto, sempre tivemos vontade de ter uma experiência internacional, pois achávamos que seria válido tanto pessoalmente quanto profissionalmente. Sair do nosso cantinho e ter uma visão abrangente do mundo e conhecer outros pontos de vista é importante. Planejamos e nos preparamos bastante para isso.
      Surgiu a oportunidade de estudar fora em uma das melhores universidades do mundo (Stanford University) e nós fomos. Inicialmente, nem tínhamos planos concretos de ficar fora do Brasil após o término do curso, mas novas oportunidades foram surgindo e nós fomos ficando. Atualmente, estamos morando em Londres e estamos muito felizes. Não temos planos de voltar para o Brasil. A vida morando fora é muito menos glamourosa do que as pessoas imaginam. Ser classe média no Brasil é muito diferente de ser classe média no exterior, além do fato de que sempre seremos vistos como estrangeiros.
      O que achamos melhor? Segurança, educação, respeito ao próximo. Mas, todo lugar tem problemas e gente babaca e os EUA ou Europa não são diferentes.
      A questão para nós não é dinheiro. Com a nossa formação acadêmica, voltaríamos para o Brasil ganhando muito bem e com um custo de vida menor do que temos atualmente. A questão para nós é ter desafios profissionais e pessoais, sair da zona de conforto o tempo todo, ter motivações de aprendizado constante. Tudo é novidade, tudo exige um esforço enorme para fazermos porque não era parte do nosso cotidiano. Às vezes coisas básicas, como por exemplo, funciona o plano de saúde, exige todo um aprendizado novo, buscas, perguntas, dúvidas, horas pendurados no telefone…e tudo em um idioma que não é o nosso nativo. É cansativo, difícil, mas ao mesmo tempo motivador. Você tem que estar preparado para ficar incomodado com frequência. Além disso, conhecemos gente do mundo inteiro e conseguimos ouvir o ponto de vista deles sobre diversos assuntos. Isso abre a nossa cabeça para pensar e questionar de forma totalmente diferente, coisa que nunca aconteceria nos relacionando somente com pessoas com os mesmos hábitos e origens que nós. Para nós, isso é muito mais importante do que dinheiro e, por isso, vale a pena. Não significa que vale a pena para todos ou que recomendamos para todo mundo, pois a percepção de valor de cada pessoa é diferente.
      Independente de qualquer coisa, vamos continuar amando o Brasil e torcendo muito para que as coisas melhorem por aí.
      Esperamos ter respondido sua pergunta!
      Abraços

  2. Olá Ana! vamos a Califórnia (eu, minha esposa e dois filhos) no final deste ano e tenho acompanhado o seu blog frequentemente. desde já te parabenizo pelo conteúdo e informações muito importantes, mas uma delas me chamou muito a atenção, onde nos inspirou profundamente e mudou o nosso modo de viver. Foi a mudança de Hábito de consumo de vcs. super concordo c vcs e vcs estão de parabéns!!!!!
    realmente experiências de viagens valem são mais interessantes do que objetos. continuem firmes!!!
    torço por vcs!

    • Alexandre, agradeço muito o seu comentário!
      Nós nunca fomos consumistas, mas ficamos ainda menos mudando para os EUA. A sensação que temos, de acordo com as nossas experiências, é que os americanos são muito menos consumistas do que os brasileiros e, salvo exceções, não é comum ficarem ostentando. Lembro-me de que uma vez (ainda morávamos no Brasil), eu estava em uma loja nos EUA e uma funcionária americana me perguntou o motivo de os brasileiros comprarem tanto! Infelizmente, muita gente se importa mais com o “parecer” do que com o “ser”. Nosso lema é: “Por mais histórias para contar e menos coisas para mostrar!” 🙂

  3. Adorei o depoimento, morar nos Estados Unidos realmente tem seus pros e cons. Concordo com tudo que foi dito, o país é ótimo em relação a infraestrutura, coisas baratas, paisagens de tirar o fôlego na California (nem precisa sair do estado, lá tem tudo rs), mas como vocês mencionaram, o país deixa muito a desejar em algumas questões, como saúde. Morei 2 anos ai, e graças a Deus nunca fiquei doente, e por incrível que pareça, voltando para o Brasil descobri uma doença que acho que se estivesse no EUA eu nunca teria condições de trata-la, pois mesmo com seguro saúde, ainda sim tem muitas coisas que o seguro não cobre. Enfim, estou feliz que vocês estão aproveitando morar ai, e me apaixonei pelo Max, ele é uma graça 🙂

    Abraços

    • Agradecemos o seu comentário, Josiane! Morando aqui a gente consegue ver um lado que como turista não enxergamos. Infelizmente, problemas existem em todo lugar, não é mesmo?
      Abraços e tudo de bom para você! 🙂

      • Muito obrigada, você tem toda razão, problemas existem em todos os lugares. Mas acredito que muitos tem aquele pensamento que a “a grama do vizinho é sempre mais verde”, o que acaba alienando a visão do turista diante dos lugares que conhecem.

        • Com certeza, Josiane!
          Temos uma visão mais clara de como são as coisas depois que passamos mais tempo no lugar e deixamos de ter aquela “visão turista”. Você tem toda razão quando fala sobre as pessoas que acabam ficando alienadas, pois só enxergam o que é conveniente e o que reafirma o que elas querem acreditar.
          Super obrigada pela sua participação! 🙂

Deixe seu comentário