Londres: A evolução dos lares ingleses no Geffrye Museum

0

O Geffrye Museum é uma opção diferente de passeio na região de Shoreditch, a leste de Londres. Ouvia dizer que ele era o “Museu da Casa” por mostrar a evolução no mobiliário inglês ao longos dos séculos. Mas o Geffrye Museum é mais do que isso. Ele mostra como os lares ingleses mudaram ao longo dos séculos, uma vez que as relações sociais e econômicas também mudaram. E todo esse pano de fundo histórico, mudou a minha forma de ver o museu e ele passou a ser ainda mais interessante do que à primeira vista. Confira o que encontrar neste museu que é pouco conhecido, mas recheado de história.

O GEFFRYE MUSEUM

Sir Robert Geffrye, um comerciante e antigo prefeito de Londres, começou a construir um asilo para idosos e pobres, em 1714, através da empresa que era diretor, Ironmongers ‘Company. Por quase 200 anos, o local forneceu um lar para cerca de 50 pessoas por vez. No início do século XX, a área de Hoxton, onde o asilo estava estabelecido, tornou-se uma das partes mais abarrotadas e desagradáveis de Londres. Por este motivo, a Ironmongers ‘Company vendeu a propriedade para começar a transferir os abrigados para uma região mais saudável.

A estátua de Geffrye está na fachada do edifício

O local foi, então, comprado pelo Condado de Londres com o objetivo de fornecer um espaço público aberto para os morados na região. No entanto, houve um pedido para que os antigos quartos do asilo não fossem demolidos, mas convertidos em um museu. O Geffrye Museum abriu em 1914 e tem como objetivo explorar os lares ingleses de 1600 até os dias atuais. O museu passou por uma série de reformas e ampliações e, atualmente, procura mostrar exibições evocativas de Londres, salões de classe média e jardins que ilustram as casas e a vida doméstica através dos séculos, refletindo mudanças na sociedade, comportamento, estilo e gosto.

Área verde em frente ao museu

COMO É A VISITA AO GEFFRYE MUSEUM

Chegando ao museu, você vai se deparar com uma área gramada muito bonita, com bancos de madeira ao redor. Há 3 locais para visitar no Geffrye Museum: as 11 salas históricas, que são o ápice da visita; os jardins que ficam abertos entre os meses de abril e outubro; e um tour guiado por um antigo quarto do asilo que foi recriado conforme era por volta de 1780 a 1880. Olhando a casa de frente, os jardins ficam à esquerda. A entrada para o museu fica do mesmo lado que os jardins, mas um pouco mais para frente. Entrando na recepção, basta se dirigir à direita para começar o passeio.

Bancos de madeira em frente ao museu

O início da exibição conta toda a história do asilo (a mesma que contamos no item anterior) e é explicado qual é o objetivo maior do museu: exibir uma série de salas de época que representam as casas da classe média britânica.

Exibição de cadeiras mostra como o design evoluiu ao longo dos séculos

1. 11 SALAS HISTÓRICAS

As 11 salas históricas que mostram a evolução dos lares ingleses entre 1600 aos dias de hoje são o grande destaque da visita. O museu mostra como os itens de decoração, mobiliário, tapeçaria foram evoluindo ao longo dos séculos. Tudo é explicado de forma a colocar o visitante no contexto histórico e social da época, mostrando que a classe média era detentora de pequenos negócios, que eram geridos na própria residência. Os aprendizes desses negócios, costumavam a conviver com as famílias. No entanto, as relações de trabalho foram mudando ao longo dos séculos, assim como os hábitos sociais.

Durante a exposição, há objetos em destaque mostrando as mudanças de gostos e materiais utilizados nas casas
Os tecidos e materiais utilizados mudaram muito

A vida social dos ingleses foi incluindo literatura, arte, música e os hábitos de oferecer jantares e participar de eventos sociais em casas de amigos da sociedade. Até mesmo as refeições foram modificadas. Antigamente, o café da manhã era a principal refeição da família e, no jantar, comia-se apenas algo leve no final da tarde. Estes são alguns dos fatores que fizeram com que os ambientes internos das casas fossem sendo modificados ao longo do tempo. A visita segue a seguinte ordem:

  • SALA 1: Hall em 1630 – O hall era o centro das atividades comunitárias da casa. Muitas vezes ficava posicionado no primeiro andar, acima das instalações da empresa familiar. Foi um espaço movimentado utilizado para refeições, recreação, entretenimento e negócios.
Sala 1: refletindo uma casa de 1630
  • SALA 2: Sala em 1695 – Esta sala representa uma sala de estar no primeiro andar de uma casa. As três janelas têm vista para a rua. Salas de jantar eram mais espaços privados, onde a família se reunia, recebia convidados e comia suas refeições. Esta maneira de viver significava que havia uma maior separação entre a família e seus empregados.
Sala 2: um exemplo de uma casa de 1695
  • SALA 3: Sala em 1745 – A forma arquitetônica da sala e sua posição dentro da casa tinha mudado pouco desde o final do século XVII, embora seus móveis fossem muito diferentes. Era ainda a sala principal na qual a família se reunia, recebia convidados e tomava algumas de suas refeições, mesmo quando havia uma sala de jantar separada na casa. Esperava-se que as pessoas se comportassem de uma certa maneira, um código social conhecido na época como “polidez”.
Sala 3: uma sala de 1745

Há alguns espaços entre a sala 3 e 4 que fazem parte do antigo asilo como uma capela, uma sala com vista para o jardim e um bonito salão com quadros e livros.

  • Capela do antigo asilo
Antiga capela
  • Área com vista para o jardim, com paredes decoradas e cadeiras
Área com vista para o jardim
  • Sala com livros e pinturas que retratam as famílias no séculos XVII e XVIII
Pinturas mostram a sociedade da época
  • SALA 4: Sala em 1790 – Esta seria a sala onde a família se reuniria, recebia convidados e fazia refeições. No entanto, a forma como foi decorada e mobiliada tinha mudado consideravelmente em relação ao período anterior. As paredes revestidas com papel de parede substituíram os painéis pesadamente moldados.
Sala 4: refletindo a decoração em 1790
  • SALA 5: Sala em 1830 – Esta sala representa um salão no primeiro andar com vista para a rua. Tem janelas altas que se estendem até o chão, com cortinas elaboradas e varandas ornamentais. Era um espaço onde as mulheres membros da família podiam passar o seu tempo livre lendo, pintando ou tocando música.
Sala 5: Bonita sala refletindo 1830
  • SALA 6: Sala em 1870 – Ao contrário do século anterior, quando o local de trabalho e o lar estavam freqüentemente no mesmo edifício, o padrão no século XX era que as casas fossem construídas mais longe do centro da cidade e que as pessoas viajassem para o trabalho ônibus, trem ou metrô. A sala em exibição representa uma sala de estar no piso térreo na frente de uma casa em um dos subúrbios em expansão de Londres. Seria usado especialmente pela senhora da casa, que receberia visitantes.
Sala 6: A sala mostra uma decoração típica em 1870
  • SALA 7: Sala em 1890 – A partir da década de 1870 ocorreu uma reação contra o gosto dominante, que passou a ser conhecida como Movimento Estético. As pessoas que adotaram esse estilo cultivaram um gosto “artístico” e uma marcada sensibilidade à beleza na arte e no design.
Sala 7: Ambiente íntimo de 1890

Após a Sala 7, estão localizados um Café e uma Loja de Presentes. As exibições seguintes, que retratam os séculos XX e XXI, estão localizadas em um outro prédio moderno adjacente que foi inaugurado em 1998.

Novo prédio inaugurado em 1998
  • SALA 8: Sala em 1910 – Exemplo de sala de uma casa geminada em um dos novos subúrbios do Norte de Londres. Estas casas de estilo chalé incluíam uma “sala-hall”, lareiras de carvalho, molduras simples e tetos baixos. A energia elétrica também era uma característica nova nessas casas.
Sala 8: uma sala de estar típica de 1910
  • SALA 9: Sala em 1935 – Um exemplo de um apartamento, imóvel que forneceu uma alternativa urbana conveniente para a casa suburbana, particularmente para pessoas solteiras ou casais sem filhos.
Sala 9: Sala inglesa em 1935
  • SALA 10: Sala em 1965 – Um típico sobrado londrino que mostra a incorporação da sala de jantar e sala de estar em um mesmo ambiente. A televisão passa ser o foco da sala.
Sala 10: Sala em 1965 com um novo acessório, a televisão
  • SALA 11: Apartamento em estilo loft em 1998 –  Mostra como a conversão de edifícios comerciais em espaços domésticos durante os anos 1970, fez com que fossem criados espaços para moradia em antigos armazéns em Londres. A sala de estar, cozinha e sala de jantar estão todos juntos no mesmo espaço.
Sala 11: Um loft de 1998 que reúne todos os ambientes da casa
  • PISO INFERIOR: Exibições Temporárias e Salas para Eventos (o piso é acessado por elevador ou uma moderna escada em espiral). Na parte inferior também ficam os banheiros.
Escada que desce para a área de exposições temporárias e salas de eventos
Uma das salas de eventos

2. JARDINS

É possível visitar o jardim de ervas e os jardins de época que mostram como jardins domésticos mudaram ao longo dos últimos quatro séculos. Para recriar esses espaços, evidências foram reunidas a partir de desenhos, impressões, mapas, planos de jardim, plantações, diários e literatura para obter precisão histórica das plantas, as relações de plantio e o layout dos jardins. Lembrando que os jardins abrem entre os meses de abril e outubro e ficam fechados durante o inverno.

Entrada para o Jardim de Ervas
Área dos jardins vista da casa

3. TOUR: QUARTO RESTAURADO DO ASILO

Um dos antigos quartos do asilo foi restaurado e está aberto aos visitantes mediante a tours guiados em datas e horários específicos. O quarto foi reformado de forma a voltar às suas condições originais, oferecendo uma perspectiva sobre a vida dos pobres e idosos de Londres entre os anos 1780 e 1880. O local procura ilustrar a história do asilo e das pessoas que viveram lá. Eu não cheguei fazer esse tour porque não estava disponível no dia que visitei o museu.

Quarto restaurado do asilo. Foto: site oficial (Peter Dazeley)

CAFÉ & LOJA DE PRESENTES

Além do museu em si, o complexo conta com a presença de um Café/Restaurante amplo, com teto de vidro e vista para os jardins. O cardápio inclui pratos quentes da culinária inglesa, saladas, sanduíches, bolos, sobremesas, bebidas quentes, vinhos e cervejas.

Área do Café

Em frente, fica uma Loja de Presentes com uma grande variedade de livros com foco em design e decoração, além de objetos decorativos para presentes, louças e itens relacionados à jardinagem.

Loja do museu

COMO CHEGAR

  • Metrô:
    • Desça na estação Old Street na Northern Line (preta) e caminhe por 15 minutos ou pegue o ônibus 243 para completar o trajeto
    • Desça na stação Liverpool Street na Hammersmith & City Line (rosa), Metropolitan Line (roxa) ou Circle Line (amarela) e caminhe por 20 minutos ou pegue os ônibus 149 ou 242 para chegar até o museu
  • Overground: estação Hoxton fica logo atrás do museu
  • Ônibus: Linhas 67, 149, 242, 243 e 394

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Geffrye Museum

  • Endereço: 136 Kingsland Rd, London E2 8EA
  • Horários: de terça a domingo de 10h às 17h / fechado às segundas-feiras / jardins fecham durante o inverno (novembro a março)
  • Entrada: gratuita / audio guide £3.50 / valores variam em eventos especiais
  • Tours nos Quartos Reformados do Asilo:
    • Horários: tours disponíveis em terças, quartas e sábados selecionados durante o ano (confira agenda aqui)
    • Preço: £4 por pessoa


Veja mais museus diferentes em Londres:

Deixe seu comentário