Morando Fora: 10 coisas que nos fazem sentir saudade do Brasil

0

Vamos dar início a uma série de posts que abordarão as diferenças entre morar no Brasil e nos EUA. Antes de mais nada vale lembrar que quando fazemos as comparações estamos considerando como referência no Brasil a cidade de São Paulo, onde morávamos. E quando falamos de EUA, a referência é a região em que se localiza a cidade de Stanford, na Califórnia, conhecida como Vale do Silício, local onde moramos atualmente. Já estamos aqui há 7 meses e podemos nos considerar bem adaptados à nova vida. Nenhum lugar é perfeito, claro, ainda mais quando você já viveu mais de 3 décadas em um determinado lugar e está acostumado com os hábitos, cultura, alimentação, etc. Seríamos injustos se reclamássemos da nossa vida aqui, pois estamos muito felizes. Mas, com certeza, existem coisas que sentimos falta do Brasil!

COISAS QUE NOS FAZEM SENTIR SAUDADE DO BRASIL

1. Família

Não tem como não ser o primeiro item da lista, né? Embora morássemos em São Paulo e víssemos nossas famílias em alguns finais de semana, essa é a mudança principal. Não participamos mais das festas familiares, dos almoços, das conversas, das discussões. Ficamos sabendo o que se passam com eles, mas sem detalhes porque não estamos no dia-a-dia. Hoje em dia é muito mais fácil entrar em contato porque existem ferramentas que facilitam (Facebook, Skype, Whatsapp, FaceTime), mas obviamente não é a mesma coisa de se encontrar pessoalmente e estar presente nos momentos em que a família se reúne.

1230020_10151621631073564_1160743543_n
Família em Sorocaba/SP
1504549_490643884378282_1819539383_n
Família em Porto Feliz/SP

2. Amigos e Colegas de Trabalho

Quando viemos para cá, deixamos muitas amizades no Brasil. Muitas pessoas que tínhamos contato diário, agora é esporádico. Pessoas que costumavam compartilhar tudo conosco e nós com elas, agora falamos ocasionalmente. A distância muda os relacionamentos, pois você não consegue mais participar ativamente da vida das pessoas. Embora o contato possa ser feito de maneira virtual, muita coisa muda.

3. Comida

Quem acha que aqui nos EUA só tem hot dog, pizza e batata frita se engana e muito. A comida também é bem variada e é possível encontrar muitas das coisas que comemos no Brasil. Com uma grande diferença: no Brasil é MUITO mais gostoso! Sim, estamos acostumados com o paladar da comida brasileira. Amamos a comida mineira, churrasco e também a culinária árabe, italiana…de São Paulo, o melhor lugar para comer no mundo! E tem ainda a comida da mãe…nada no mundo é parecido. Aqui na Califórnia é possível encontrar muitos alimentos orgânicos e frutos do mar. Só não tem alimentação saudável quem não quer, mas falta o tempero brasileiro…esse não tem igual!

9b184-photo-2
Comendo pastel na feira em São Paulo

4. Cinema

Como somos cinéfilos, o cinema aparece em alguns aspectos. Em São Paulo tínhamos carro e em um raio de 2 quilômetros da nossa casa havia 6 shoppings com cinema. Íamos 2 vezes por semana em média! Ainda mais com desconto de meia-entrada da Vivo ou do Itaú ficava mais fácil. Sem falar que há cinemas em São Paulo cujas poltronas reclináveis e estofadas eram melhores que o sofá de casa! O que é diferente aqui: não temos carro para ir ao cinema, não temos desconto (alguns cinemas tem uma entrada de estudante, mas não todos), não tem legenda (óbvio!) e, a pior parte, praticamente nenhuma sala tem lugar marcado!!!

8eafa-photo2
No cinema em São Paulo

5. Diarista

A nossa santa diarista Idália faz uma falta danada aqui. Além de uma pessoa muito confiável, deixava a casa limpinha e roupa passada. O custo aqui para uma faxina é inviável, então temos que fazer nós mesmos! Acabamos nos acostumando com a ideia e estamos nos virando muito bem atualmente. No entanto, a Ana gasta muito mais tempo com trabalhos domésticos do que no passado.

6. Futebol

Aqui futebol é com a mão, não com o pé. Embora gostemos demais de outros esportes, futebol é o nosso favorito. Em São Paulo, estávamos muito acostumados a passar o domingo à tarde no sofá da sala vendo um jogo, fazia parte da nossa rotina. Às vezes, gostávamos de assistir às mesas redondas comentando a rodada do futebol (sim, nós dois, não só o Paulo) e tinha as discussões com os amigos sobre os lances polêmicos.

b1f68-photo-4
Comidinhas no sofá + futebol no final de semana!

7. Sistema métrico

O sistema métrico faz muita diferença! Temos que confessar que ainda usamos conversor de medidas, porque para nós o sistema real não faz sentido. Ao invés de gramas e quilos, onças e libras; ao invés de graus Celsius, Fahrenheit; ao invés de metros, pés; ao invés de litros, galões; ao invés de quilômetros, milhas…para quê complicar tanto, né?

8. Sistema bancário

O sistema bancário brasileiro é bastante moderno e sofisticado (e um dos motivos disso é para previnir a quantidade absurda de tentativas de fraude). Ficamos assustados quando chegamos aqui e vimos quantas coisas ainda são feitas em papel. Quer pagar uma conta na internet com código de barras? Esqueça! Dá para acreditar que alguns pagamentos são feitos com cheque enviando-o pelo correio? Além disso, a maioria dos cartões ainda não tem chip.

9. Piso

Parece bobagem, mas não dá entender o fanatismo americano por carpete. Tem carpete em casa, na sala de aula, no aeroporto e até em praça de alimentação. Nós brasileiros estamos acostumados com piso frio ou carpete de madeira, mas aqui carpete é muito comum. O problema do carpete, além da questão da limpeza, também é que você acaba acumulando muita energia estática. O Paulo é campeão em tomar choques inusitados! Falando em piso, bem que gostaríamos de tomar banho pisando em um piso frio e não dentro de uma banheira com uma cortininha de plástico que insiste em grudar na  perna.

10. Falar português

Nosso vocabulário em outro idioma nunca será tão rico como é em português. Além disso, falar em português é algo automático, sabemos expressar melhor nossas ideias e pontos de vista na nossa língua mãe. Em outro idioma é sempre mais complicado porque não tem aquela espontaneidade da sua língua nativa. A linguagem coloquial e gírias que falamos em português não aprendemos na escola, aprendemos na vida ouvindo os outros falarem. Para aprender as gírias em outros idiomas leva tempo.

Deixe seu comentário